Seis estados produzem 80% da safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas
Publicado em: 12/11/2020

Seis estados respondem por 80% da produção brasileira de grãos, cereais e leguminosas. Mato Grosso lidera o ranking, com participação de 28,9%. Em seguida, aparecem Paraná (16%), Rio Grande do Sul (10,5%), Goiás (10,3%), Mato Grosso do Sul (8%) e Minas Gerais (6,3%). Entre as regiões, o Centro-Oeste responde por 47,5%, seguido pelo Sul (29,1%), Sudeste (10,1%), Nordeste (8,9%) e Norte (4,4%).

As informações constam do primeiro prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) 2021, divulgado nesta terça-feira 10 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a projeção do IBGE, a safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas deve somar 253,2 milhões de toneladas em 2021. Este número é um novo recorde na série histórica iniciada em 1975 e representa um crescimento de 0,5% em relação às estimativas de 2020, de 252 milhões de toneladas.

O aumento em 5,6 milhões de toneladas (4,6%) da produção da soja e de 445,3 mil toneladas (1,7%) da 1ª safra do milho devem ser os principais responsáveis pelo prognóstico de 2021.

Outras produções devem sofrer reduções, como a 2ª safra do milho (-5,4%), do arroz (-2,4%), do algodão herbáceo (-11,9%), da 1ª safra do feijão (-2,2%), do da 2ª safra do feijão (-4,5%) e da 3ª safra do feijão (-6,5%).

Para o analista de Agropecuária do IBGE Carlos Barradas, o preço em alta das commodities no mercado internacional motiva investimentos na produção de grãos, principalmente, milho e soja. Além disso, “a pandemia fez o consumo doméstico aumentar e os preços de alguns desses grãos dispararam”, explica.

O IBGE estima que, em 2021, a área a ser colhida aumente para a soja em grão (1,2%), para a 1ª safra de milho em grão (1,7%) e para a 2ª safra do milho em grão (1,0%).

A produção total de grãos apresentou variação anual positiva no Centro-Oeste, Sudeste, Nordeste e Norte. Apenas no Sul houve recuo (-4,7%).

Estimativa de outubro para safra de 2020 é 4,4% maior que a de 2019

A pesquisa também divulgou a estimativa de outubro para a safra de 2020: 252 milhões de toneladas, 4,4% superior à obtida em 2019 (241,5 milhões de toneladas). Em termos de área a ser colhida, a estimativa é de 65,3 milhões de hectares, o que representa um aumento de 2,1 milhões de hectares (3,3%) frente à área colhida em 2019. O arroz, o milho e a soja somados representam 92,6% da estimativa da produção e respondem por 87,1% da área a ser colhida.

No comparativo com a estimativa de setembro, a pesquisa mostra que houve aumentos na produção da 1ª safra do milho (0,5%), na 2ª safra do milho (0,4%), na 1ª safra do feijão (0,2%) e na soja (0,1% ou 114.003 toneladas).

Já as produções que apresentaram queda foram: a do algodão herbáceo (-0,2%), a da 3ª safra do feijão (-0,6%), a da 2ª safra do feijão (-1,6%), a da uva (-3,2%), a da cevada (-5,8%), a do trigo (-6,3%) e a da aveia (-9,5%).

Da redação//AGROemDIA*

*Com informações da Agência IBGE Notícias

FOTO: Cleverson Beje/AEN/Gov. PR
FONTES: Imprensa Abrapa / aiba.org.br



<< voltar


Ir para o topo