Programa de Governo de Rui Costa inclui ações de fortalecimento do agronegócio na Bahia
Publicado em: 03/08/2018

As riquezas geradas pelo agronegócio no oeste baiano foram destacadas pelo governador Rui Costa, durante o lançamento do Programa de Governo Participativo (PGP), nesta quinta-feira (2), em Barreiras. O chefe do executivo estadual anunciou a intenção de investir mais na região, para melhorar a logística e o escoamento da produção e, consequentemente, aumentar a geração de emprego e renda.

A afirmação foi feita depois que Rui recebeu das mãos da assessora da presidência da Aiba, Rosi Cerrato, um ofício contendo os principais pleitos dos produtores rurais. Entre as solicitações estão melhorias na segurança pública, com o aumento do patrulhamento nas áreas rurais; da segurança jurídica no que se refere à questão fundiária; em infraestrutura e logística, através de pavimentação de estradas, construção de portos, ferrovias e aeroportos, além de melhorias na oferta de energia e rede comunicação.

“Sabemos que o oeste da Bahia é uma região muito extensa e que o governador tem que olhar para todo o Estado. Mas precisamos desse apoio do governo para alavancar um segmento que é o principal propulsor da economia do Estado. Os produtores rurais já atuam conjuntamente com o governo do Estado, e hoje estou aqui para solicitar a renovação dessa parceria para que juntos possamos recuperar um maior número de estradas e proporcionar cada vez mais melhorias”, disse Cerrato, que também é agricultora.

Rui citou alguns investimentos que estão sendo feitos na região, a exemplo da implantação da usina de açúcar e de álcool e de geração de energia a partir de resíduos, mas concorda que ainda há muito a ser feito. “Não basta produzir grãos. Por melhor que sejam os números da produção, a gente precisa trazer uma indústria de beneficiamento do algodão, uma indústria têxtil para gerar ainda mais emprego e manter aqui a riqueza que essa região produz”, salientou, se comprometendo em incluir em seu programa as reivindicações contidas no documento.


FONTES: Ascom Aiba / aiba.org.br



<< voltar


Ir para o topo