Oeste Baiano já iniciou o plantio de algodão 2022/2023
Publicado em: 23/12/2022

A Bahia, segundo maior produtor de algodão do país, deu início ao plantio da safra 2022/2023. A produção de algodão esperada é de 587 mil toneladas de pluma, segundo a Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa).Um levantamento feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indica aumento de área e de produtividade nas lavouras de algodão do Brasil. Conforme a análise, a safra do próximo ano deverá ser, em média, 4,8% maior que a anterior, com a colheita de 2,92 milhões de toneladas de pluma.

O elevado patamar dos preços do produto, atrelado a boa rentabilidade e comercialização antecipada são fatores que impulsionam os investimentos na cotonicultura.

Segundo a Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM), a Bahia conta com 150 produtores de algodão, como o Agronegócio Estrondo, e está entre os quatro maiores produtores globais.

Confira a seguir mais informações sobre o início do plantio de algodão no Oeste da Bahia, os resultados da última colheita a e expectativas para próxima safra.

Resultados da colheita no Oeste da Bahia e expectativas para a safra 2022/2023

O Oeste da Bahia iniciou em novembro o plantio de algodão para a safra 2022/2023, seguindo o calendário de regiões divulgado pela Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa).

A previsão é de que a produção alcance 587 mil toneladas de pluma em uma área de 308 mil hectares, com produtividade média de, aproximadamente, 1,9 mil quilos de pluma por hectare.

A região Oeste tem a maior área plantada de algodão no estado, com 300.430 hectares, o equivalente a 98% do total. Já a região Sudoeste produz o equivalente a 5.945 hectares, 2% do total.

Por conta disso, as datas de plantio planejam cobrir o lado Sudoeste antes, e, em seguida, abordar as demais localidades, por conta do território mais extenso.

A expectativa de colheita é semelhante à produção consolidada em 2021/2022, quando a Bahia plantou 309 mil hectares. Apenas nas fazendas que fazem parte do Agronegócio Estrondo, uma das principais empresas atuantes da região, foram produzidas 11 mil toneladas da fibra de algodão.

Os produtores dependem, principalmente, dos fatores climáticos, com uma boa distribuição de chuvas em períodos estratégicos. No entanto, o investimento em tecnologia na região pode ajudar a manter o nível alto, mesmo com elementos menos favoráveis no futuro.

Qual o destino do algodão produzido na Bahia?

Atualmente, cerca de 40% do plantio de algodão da Bahia é exportado para países asiáticos, como China, Indonésia, Bangladesh e Vietnã. Enquanto isso, 60% são comercializados com indústrias têxteis no Brasil.

Ainda, o caroço de algodão também pode ser usado na alimentação animal, o que torna a cultura importante para o cenário nacional.

A colheita da última safra sofreu valorizações por conta dos conflitos internacionais, e o algodão chegou a ser comercializado em valores superiores a US$0,80 por libra-peso. Com isso, cerca de 70% da safra 2021/2022 já foram vendidos.

Para a safra 2022/2023, os preços cotados para dezembro de 2023 estão em torno de US$0,73 por libra-peso, o que é um incentivo para os agricultores.

O que esperar do plantio de algodão na safra 2022/2023

Graças ao investimento de empreendimentos, como o Agronegócio Estrondo, o plantio de algodão da safra 2022/2023 no Oeste baiano espera previsões ainda melhores para o próximo ano.

O manejo, tecnologias aplicadas, controle de pragas e o clima da região têm contribuído para a boa qualidade do algodão produzido pela Bahia, segundo informações da Abapa.

Novas tecnologias e recursos de monitoramento irão reduzir o impacto climático, e contribuir para a qualidade da matéria-prima desde o início do ciclo.

Com a ampliação da produtividade do algodão no país, a Conab prevê um aumento de 22,2% nas exportações em relação à safra de 2021/2022, correspondendo a 92 milhões de toneladas, um recorde para a cultura.


FONTE: fintechbr.com.br



<< voltar


Ir para o topo